SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

ANÁLISE DESCRITIVA DE FATORES DE RISCO ASSOCIADOS A AMILOIDOSE EM PACIENTES PORTADORES DE ESTENOSE AÓRTICA

Daniella Cian Nazzetta, Flávio Tarasoutchi, Marcelo Goulart Paiva, Tarso Augusto Duenhas Accorsi, Luís Gustavo Mapa Santos, Fernanda Castiglioni Tessari, Layara Fernanda Lipari, Ranna Santos Pessoa, Henrique Vicente Haussauer Junior, Vitória Souza
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL, IGESP - São Paulo - SP - Brasil

Introdução: amiloidose é uma doença sistêmica e infiltrativa, com deposição extracelular de fibrilas amilóides rígidas e insolúveis, principalmente em órgãos como coração, fígado e ossos. Apenas 20% dos pacientes apresentam sintomas cardíacos predominantes, com envolvimento do órgão isoladamente em menos de 5% dos casos. A doença pode ser do tipo cadeia leve (AL-CA), que é a forma mais comum, ou do tipo transtirretina (ATTR-CA), que se diferencia em hereditária (ATTRh), uma doença de transmissão autossômica dominante, e em selvagem (ATTRwt), uma forma adquirida e o tipo de amiloidose cardíaca mais comum. A estenose aórtica (EAo) é uma doença crônica e progressiva, presente em cerca de 3% dos pacientes com idade maior que 75 anos, podendo levar à insuficiência cardíaca, morte súbita e menor sobrevida se não houver substituição da valva em tempo hábil. Em estudos mais recentes, a proporção de pacientes com EAo associada a ATTR-CA variou entre 4% a 16% dos casos. Desta forma, ao indicar a cirurgia valvar, o paciente pode não apresentar a melhora esperada dos sintomas se não realizado tratamento específico para amiloidose cardíaca, impactando na qualidade de vida e sobrevida.

Métodos: estudo transversal, envolvendo 13 pacientes com mais de 71 anos, portadores de EAo moderada ou grave, de ambos os sexos, avaliados para indicação de tratamento invasivo da valva aórtica. Foram realizados exames de imagem e análises clínicas para diagnóstico e avaliação prognóstica da doença valvar e pesquisa de achados sugestivos de amiloidose cardíaca, como eletrocardiograma (ECG), ecocardiograma transtorácico (ECO-TT) com strain bidimensional, ressonância magnética cardíaca e exames laboratoriais, incluindo BNP e troponina. 

Resultados: o principal achado sugestivo de amiloidose foi encontrado em 1 paciente (7,7%) em exame de ECO que mostrou a presença de SLG reduzido de 10,8%, relação FEVE/SLG de 4,2 e relação de sparing apical de 1,22.  Outros achados foram ECG com baixa voltagem, associado a  ecocardiograma transtorácico com hipertrofia, em 1 paciente (7,7%). 

Discussão e conclusão: acredita-se que depósitos amilóides ATTR não reconhecidos podem atuar como importante modificador na EAo levando a desfechos desfavoráveis. Dada a alta prevalência da valvopatia e a frequência crescente de TAVI em pacientes idosos, com a possibilidade de identificar achados sugestivos e até mesmo dar o diagnóstico de amiloidose de forma não invasiva, é prudente rastrear pacientes com EAo em quem há suspeita de ATTR-CA concomitante, sendo o ECO com strain uma ferramenta promissora.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021