SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Bloqueio de ramo paroxístico de fases 3 e 4 em paciente com miocárdio não compactado: relato de caso

Leonardo Antunes Mesquita, Bruna gonçalves gustinelli , Juliana Maria Martins Papaléo Paes, Lucas Coelho Gonçalves Bichara, Laís de Oliveira Toledo , Bruno Moreira dos Santos, Vera Maria Cury Salemi, Paola Pretti Nunes Ferreira Falochio
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

Introdução: Aberrâncias transitórias da condução intraventricular ocorrem em situações de aceleração da condução ou pausas, podendo associar-se a bloqueios atrioventriculares paroxísticos e, eventualmente, síncope. Conduções por vias anômalas podem também ocasionar aberrâncias, mas não serão objeto de discussão deste trabalho.
Métodos: Apresentamos um caso obtido por prontuário eletrônico com análise de exames complementares realizados, demonstrando este fenômeno.
Resultados: W. L. M., sexo feminino, 42 anos, branca, em acompanhamento cardiológico devido miocárdio não compactado diagnosticado em ressonância magnética (RNM) cardíaca de 2014, fibrilação atrial permanente desde 2013, infarto agudo do miocárdio sugestivo de embolização em 2019, taquicardia atrioventricular ortodrômica com aberrância com ablacionada em 2006, obesidade e dislipidemia. Em uso de Carvedilol 100mg/dia, Losartana 100mg/dia, Espironolactona 25mg/dia, Furosemida 120mg/dia, Hidroclorotiazida 25mg/dia, Digoxina 0,25mg/dia, Levotiroxina 25mcg/dia,Varfarina 5mg/dia e Amiodarona 400mg/dia. Passou em consulta médica em 05/03/2021 referindo que há dois meses vem apresentando episódios diários de pré-síncope sem características vasovagais, piora de classe funcional com ortopneia e dispneia paroxística noturna, bradicardia com frequência cardíaca abaixo de 50bpm, sem relato de síncope e precordialgia. Ao exame físico, não apresentava sinais de congestão, boa perfusão periférica e frequência cardíaca de 64bpm. Apresentou eletrocardiograma evidenciando taquicardia com QRS largo sugestivo de taquicardia supraventricular com condução aberrante, sendo então incluída em fila de ablação e solicitado Holter de 24 horas para avaliar a bradicardia referida. Este exame evidenciou ritmo sinusal bradicárdico, alternando com ritmo ectópico atrial, frequência cardíaca média de 59 bpm, raros batimentos com acoplamento curto e condução intraventricular aberrante (QRS 0,15s) compatíveis com bloqueio de ramo intermitente (fase 3) e frequentes batimentos tardios com QRS também alargado e com mesma morfologia, sugestivos de bloqueio bradicardia-dependente (fase 4).
Conclusões: Aberrâncias aceleração e pausa-dependentes podem ser vistos em um mesmo paciente que apresente condução basal normal. Bloqueios de fase 4 usualmente manifestam-se com padrão de bloqueio de ramo esquerdo e associam-se a doença cardíaca estrutural, embora a associação clínica demande ainda maiores estudos e entendimento dos raros casos identificados.

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021