SOCESP
10 a 12 de junho de 2021

Tema Livre

TRABALHOS APROVADOS > RESUMO

Miocardite reumática: uma etiologia pouco reconhecida de disfunção ventricular esquerda em pacientes com doença valvar

Vitor Emer Egypto Rosa, Mariana Pezzute Lopes, Guilherme Sobreira Spina, Jose Soares Junior, David Salazar, Cristhian Espinoza Romero, Antonio de Santis, Joao Ricardo Cordeiro Fernandes, Roney Orismar Sampaio, Flavio Tarasoutchi
INSTITUTO DO CORAÇÃO DO HCFMUSP - - SP - BRASIL

 

Introdução: A disfunção ventricular cardíaca está presente em cerca de 10% dos pacientes com febre reumática (FR) aguda, e vários estudos mostraram que a descompensação cardíaca na FR resulta principalmente da doença valvar, e não devido à miocardite primária. No entanto, a literatura é escassa neste tópico e uma série de casos recente mostrou que a FR recorrente pode causar disfunção ventricular mesmo na ausência de doença valvar cardíaca.

 

Objetivo: Avaliar o perfil clínico, laboratorial e ecocardiográfico de pacientes com FR com diagnóstico confirmado de miocardite por meio da tomografia por emissão de pósitrons com Fluor-18-fluorodeoxiglicose (18F-FDG PET / CT) ou cintilografia cardíaca com Gálio-67.

 

Métodos: Foram avaliadas as características clínicas, laboratoriais e de imagem de 25 pacientes consecutivos com diagnóstico de miocardite, utilizando 18F-FDG PET / CT ou cintilografia cardíaca com gálio-67 (Figura 1A e 1B) e reativação de FR de acordo com os Critérios de Jones revisados. Os pacientes foram submetidos a 3 ecocardiogramas sequenciais: (1) basal, (2) durante miocardite e (3) após tratamento com corticosteroide, e foram divididos de acordo com a presença (Grupo 1) ou ausência (Grupo 2) de fração de ejeção ventricular esquerda (FEVE ) reduzida durante o episódio de miocardite.

 

Resultados: A mediana da idade foi de 42 (17-51) anos, 64% tinham mais de 40 anos e 64% eram mulheres. Comparando os pacientes do Grupo 1 (n = 16) com o Grupo 2 (n = 9), não houve diferença demográfica, ecocardiográfica ou laboratorial entre os grupos, exceto para insuficiência cardíaca NYHA III/IV (Grupo 1: 100% vs Grupo 2: 50%; p=0,012) e FEVE (30 [25-37] vs 56 [49-62]%, respectivamente; p<0,001), como esperado. Os pacientes do Grupo 1 tiveram redução significativa da FEVE durante a cardite com melhora adicional após o tratamento (Figura 1C). Não houve correlação entre FEVE e disfunção valvar durante a miocardite. Do total de pacientes, 19 (76%) realizaram 18F-FDG PET / CT, com exame positivo em 68,4% e 21 (84%) realizaram cintilografia cardíaca com gálio-67, com captação positiva em 95,2%, ambos sem diferença entre os grupos.

 

Conclusão: A miocardite por reativação da FR pode causar disfunção ventricular esquerda independente da valvopatia, sendo reversível após tratamento com corticosteroides.

 

Realização e Secretaria Executiva

SOCESP

Organização Científica

SD Eventos

Agência Web

Inteligência Web
SOCESP

41º Congresso da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo

10 à 12 de junho de 2021